no ,

Um bom controle de alergênicos alimentares para crianças

alergênicos alimentares para crianças

Saiba o que são alergias alimentares, como funciona a legislação e como fazer um bom controle de alergênicos alimentares para crianças.

As alergias alimentares são uma condição muito presente no público infantil.

Segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia – ASBAI, aproximadamente 6% dos menores de 3 anos e 8% dos menores de 2 anos são atingidos por alergias alimentares – e é um valor que vem aumentando com o tempo, principalmente devido aos alimentos industrializados e suas grandes quantidades de ingredientes.

Durante a infância, os alimentos que mais podem causar alergias alimentares são leite de vaca, ovo, trigo e soja, geralmente causando alergias transitórias, ou seja, menos de 10% dos casos persistem até a vida adulta.

Já em alimentos como amendoim, nozes e frutos do mar, tendem a ser mais duradouras e, por vezes, duram por toda a vida.

E é por isso que é extremamente importante não só as empresas fazerem um bom controle de alergênicos e informarem corretamente em seus rótulos, como também o Estado fiscalizar e o consumidor entender os rótulos e controlar o consumo.

Por isso, vamos entender mais sobre esse assunto:

Alergênicos alimentares para crianças

Como funciona a legislação?

Anteriormente, já postamos um conteúdo sobre a Legislação de Alergênicos aqui no Brasil.

Essa legislação surgiu a partir de um grupo de mães que pressionavam a Anvisa para que existisse maior divulgação sobre os alergênicos presentes nos alimentos – surgindo, então, a partir daí, o Movimento Põe No Rótulo.

Hoje, a RDC 727/2022 se encontra vigente e contém informações como:

  • Requisitos para rotulagem dos alimentos embalados;
  • Declaração dos principais alimentos que causam alergias alimentares;
  • Advertência sobre presença ou não de lactose;
  • Declaração de nova fórmula;
  • Advertências relacionadas ao uso de aditivos alimentares;
  • Prazo de validade e instruções de conservação;
  • Algumas outras informações.

Caso isso não seja cumprido, as empresas podem estar sujeitas a penas presentes na Lei n° 6.437, de 20 de agosto de 1977.

O que é uma alergia alimentar?

A alergia alimentar é uma resposta imunológica do organismo após a exposição a algum determinado alimento.

Após a exposição à proteína daquele alimento, o corpo a identifica como uma ameaça e “prepara para atacar”, produzindo grande quantidade de células de defesa e causando uma reação física.

As reações de alergênicos alimentares para crianças podem ser leves, como uma simples coceira nos lábios, até reações graves como anafilaxia e até mesmo o óbito.

E não é uma doença que tem cura.

A única forma de evitar que ocorra é justamente evitar as fontes de alergia, ou seja, restringir os alimentos que causam reação alérgica.

Sendo assim, é extremamente crucial que seja feito um diagnóstico seguro com especialistas – médicos, nutricionistas e alergistas – para determinar as substâncias que estão desencadeando a reação e de forma a não haver prejuízos nutricionais para a criança.

Além de prevenir o consumo de tais alimentos, é preciso definir os medicamentos a serem utilizados caso ocorra uma reação alérgica devido a uma exposição acidental – algo que inclusive é muito comum.

Pirâmide Alimentar Infantil

Em 2012, a Sociedade Brasileira de Pediatria divulgou a Pirâmide Alimentar infantil, que contém uma recomendação dos principais alimentos a serem consumidos pelo público infantil, considerando fatores nutricionais:

Pirâmide alimentar - alergênicos alimentares para crianças
Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria.

Porém, como se pode ver, vários desses alimentos fazem parte do grupo dos 8 principais alergênicos, como o leite de vaca, o ovo, o trigo e entre outros.

Com isso, os pais acabam tendo dificuldade de saber como substituir o alimento pelo qual seu filho tem alergia de forma a não afetá-lo nutricionalmente.

Então, no artigo “Adaptação da pirâmide alimentar infantil para alergias alimentares“, as autoras propuseram uma alteração na pirâmide alimentar para o público infantil acometido por alguma alergia alimentar e formas de substituir tais alimentos:

Leite de vaca

O leite de vaca se encontra no nível 3 da pirâmide alimentar e é um dos principais alergênicos para o público infantil, podendo causar reações como náuseas, vômitos, coriza, espirros, urticária e entre outras.

Não se pode negar que o leite é um alimento extremamente rico em nutrientes, como cálcio, vitamina A, riboflavina, biotina, zinco, magnésio e entre outros.

Pensando-se no consumo de cálcio, afinal, crianças precisam ingerir, pelo menos, de 800 a 1000 mg de cálcio por dia, pode-se incluir na dieta da criança alimentos como gergelim, brócolis, couve e leite de arroz, segundo a Sociedade Vegetariana Brasileira.

Ovos, peixes e crustáceos

Falando de proteínas, os ovos, peixes e crustáceos são ótimas fontes de proteínas, mas podem causar alergias alimentares severas.

Assim como o leite, eles se encontram no nível 3 da pirâmide alimentar.

Os sintomas de alergia ao ovo podem afetar o sistema respiratório (asma/rinite), gastrointestinal (vômitos, diarreias, dores abdominais), cardiovascular (queda de pressão e choque anafilático) e/ou a pele (urticárias e dermatites).

Os sintomas de alergia a peixes e crustáceos podem incluir vermelhidão na pele, urticárias, dores de cabeça, náuseas e vômitos, broncoespasmos e hipotensão.

Uma forma de substituir a proteína desses alimentos é por meio do consumo de carnes vermelhas, frango e carne suína.

Trigo

Se encontra no nível 1 da pirâmide alimentar e, geralmente no público infantil, tende a ser uma alergia transitória.

Dentre os sintomas, pode-se citar manifestações cutâneas, gastrointestinais e respiratórias.

Para substituí-lo, pode se utilizar alimentos como farinha de arroz, farinha de linhaça, farinha de milho e farinha de mandioca.

Porém, pode ser um grande desafio aos pais, já que o trigo está presente em MUITOS alimentos como pães, bolos, biscoitos, salgados e entre outros.

Conclusão

Essas foram apenas algumas orientações sobre a legislação brasileira com relação à declaração de alergênicos nos rótulos, o que são alergias alimentares e como substituir alguns dos principais alimentos mais nutritivos para uma criança.

Porém, sabe-se que tanto para os pais quanto para as crianças é um processo muito difícil, tanto de diagnosticar, quanto de evitar o consumo e substituir tais alimentos.

Portanto, não deixe de acompanhar conteúdos sobre esse assunto e se informar com profissionais da área para fazer o melhor que puder neste momento.

Se você gostou deste conteúdo, talvez você também queira ler: Contaminação de alergênicos nas embalagens – isso é possível?

Continue nos acompanhando aqui no Ecocard!

Relatório

O que você acha?

Avatar

Escrito por OLÁ QR

Cardápio Digital: Explore, Peça e Desfrute!
A maneira mais fácil, mais segura e mais prática de gerenciar os cardápios de suas lojas dinamicamente. Uma solução descomplicada, rápida e conveniente para seus clientes.

Alterações em tempo real
Não perca tempo com pedidos
intermináveis no WhatsApp
Relatórios de Análises e mais

alergênicos alimentares em pizzarias

Principais alergênicos alimentares em pizzarias

alergênicos alimentares em escolas

Controle de alergênicos alimentares em escolas